quarta-feira, 24 de setembro de 2008

AS ELEIÇÕES

AS ELEIÇÕES

Os moradores estavam apreensivos, pois os candidatos iriam se debater na rádio local.
O locutor iniciou o debate: “Seu candidato, quantos eleitores, em média, morrem por mês nesse município?
“ – Fui vereador por 4 mandatos, isso é 16 anos. Sabe que não me lembro de ter visto um enterro.”
“- Que beleza, seu candidato. E qual era a população na época que entrou para a câmara?”
- 18 mil eleitores.
- E hoje?
- 18 mil.
“Ué, seu candidato. E não nasceu ninguém?
- Nasceu sim, nasce muita gente nesta cidade.
- E como a população não aumenta?
- E que cada vez que nasce um bebê, foge um rapaz.

Tempo esgotado, próxima rodada. Dirigindo-se ao outro:
Candidato como pretende implantar esses seus projetos, na área da saúde, educação, segurança. Sabemos que a tecnologia, máquinas que pretende adquirir são bastante caras. A onde vai arranjar tanto dinheiro?
“ Caros ouvintes, primeiramente peço seu voto de confiança, sou muito honesto e competente, vote no 24, respondendo a pergunta, o faço com convicção, primeiramente vamos importar uma máquina de fabricar reais.”

sábado, 13 de setembro de 2008

OS DISTRITOS DE MIMOSO DO SUL

VILA DE SANTO ANTÔNIO DO MUQUI

No passado, fazenda Santa Cruz,
No presente, comunidade de esperança e luz,
Destaca-se na agropecuária, banana e café,
Pedaço de terra doado, por um casal de muita fé.

A vila dorme cedo e muito cedo se levanta,
Ao contar a sua história a gente até se espanta,
Em sua expansão, para mostrar os caminhos,
Ao abrir das matas, índios, posseiros foram maus vizinhos,

Entraram em conflitos, prontidão e luta armada,
Por um alqueire de terras, em capoeiras encravadas,
Santo Antonio das garruchas, alguém o chamou,
Nunca foi registrado com esse nome que o batizou.

O tempo apagou o vilão inimigo,
Tudo é contornado, isso eu bendigo,
Atualmente, o progresso na vila chegou,
Com boas escolas, luz elétrica, Posto Médico e também Doutor.

Com bastantes lares, moradores se irradiam,
A usina ébria dorme, fabriquetas de queijos, caixa d'água, fibra São Bento, bom clima raios solares,
Comunidade, fabríca, vende, massas para ramos escolares.

Quem de lá mudou, volta a sua casa,
Com recordação, o morador lhe apraz,
Para chegar-se até á vila,
Pega-se a estrada Mimoso Conceição,
Sobre as curvas da serra, Segundo informações, dessa via estrada, terá esperança, de um dia ser asfaltada.

Chegando á vila, percebe-se o coreto,
Em época de festa serve para bandas e quarteto,
Uma fonte, dava para ser inesgotável,
Acumula em teu seio água viva, tratada e poitável.

No dia treze de junho, a capela faz aniversário,
Fica bastante alegre, repica o campanário,
Tocam ainda a mesma canção,
Fazendo vibrar o meu coração.

SÃO JOSÉ DAS TORRES

SÃO JOSÉ DAS TORRES
Distrito de Mimoso do Sul,
E o maior em dimensão territorial,
Magnetismo, profecia que aos poucos se revela,
Santuário secreto, beleza sem igual,
Onde tudo tem origem, do sacrário natural.

Nas suas terras produzem
Café, arroz, banana
E abundantes em pascigos, como se ali
Uma força de mistério sempre estivesse,
Tornando as montanhas, torres numa elevada prece.

Abençoada, desde a infância,
Estrela D'alva, pico do Farol,
Peito de moça e Canduras,
Tudo e graça, tudo e formosura.

O conjunto de riachos
Desce das serras calaqdas,
Formando cascatas pelas águas aos montes,
Lutando pela vida, entre pedras e fontes.

Esses fluviais afluentes perdem a vida no
Rio Preto.
Que nasce na serra "Das Torres",
Que corre em veias extensas e planas,
Em direção ao Rio Itabapoana.

PONTE DO ITABAPOANA

PONTE DO ITABAPOANA

Ó Tu que estás distante,
Localizada no extremo sul,
Tu és a mais bem acentuada
Que edifica um passado.

Quando chegaram as linhas férreas,
Elevaram o teu potencial,
Também na área de lazer,
Destacaste com atividade cultural,
Tendo clube, teatro e cinema,
Vindos de Campos e da capital.

Como nos interiores,
Aí, também chegou a evasão,
De salário e de educação,
Com isso, houve
Grandes momentos de saudade
Daquele que se mudou.

O tempo se encarregou,
Novas perspectivas
Na região chegou...
O Itabapoanense
Pelas raízes entusiasmou,
Novo século está nascendo,
Anjos de Deus venham vindos...
Nova mentalidade
Está surgindo.

SÃO PEDRO DO ITABAPOANA

SÃO PEDRO DO ITABAPOANA

Diamante das colinas
De uma era colonial,
Monjardim...!
Envolto em histórias,
Pelo decreto provincial.

Na construção do belvedere,
Fica a cidade desenvolvida,
Ilustre potencial,
Bastante movimentada,
Sem o Festival de Inverno,
Fica pacata esquecida.

São imóveis residenciais,
Num pequeno Oasis de anil,
Forma o luzeiro da paz,
Escreveu Grinalson Francisco Medina,
“A nossa terra amada e mais gentil.”
Grande poeta, filho seu,
Desse imenso País, Brasil!

Rememorar esta constelação,
É conciliar com essas famílias tímidas,
Residentes nestas moradias operárias,
São homens que não perderam a identidade do chapéu,
Com suas ações...
Cérebros que confiam,
Mãos que trabalham.


São Pedro do Itabapoana
Foi cidade no passado,
Hoje, apenas
Sitio histórico tombado,
Num cenário para filmes,
De fatos admiráveis,
Aquele que a conhece,
Com certeza se redime.

Já faz sucesso o conjunto,
De jovens totalmente rurais,
De sanfona e viola,
Emociona...
No festival, vai até ao amanhecer orvalhado,
Envolvente programação,
Afável magia,
Nada é penoso,
O amor tudo vence,
Até na alegria do outro dia.

São Pedro do Itabapoana,
Calçadas antigas,
Estreitas pedras quadradas,
Via urbana...
Calçamento em pé-de-moleque,
Casas de tempo de existência,
O estilo enxaimel das construções,
Nelas habitam os São Pedrenses,
Filhos seus...
Da cidade...
Ou do vilarejo,
Que estacionou no tempo,
E ainda não morreu,
Essa história tem alma,
Tem sonhos,
Acima de tudo moralidade,
São Pedro do Itabapoana,
Quem diz! Já foste uma cidade?

DONA AMÉRICA

DONA AMÉRICA


Senhora América
Prestativa, servidora, presença infinita,
Além de muitas outras partilhas
Doava refeições em marmitas.

Foi homenageada,
Seu servir não se apagou,
Ficou no cerne do distrito,
E o seu nome ele herdou.

Dona América,
Rodeada de grandes fazendas,
Ligada por uma ponte de marfim,
No passado foi de madeira,
Travessia muito ruim,
Onde tropas de mulas
Faziam transportes sem fim.

Creio ser Dona América
Um minúsculo distrito,
Ali, minha esposa,
Colaborou com a formação,
Levou para a comunidade,
Escola, aluno e educação.

Distrito, Dona América,
Céu azulado de sonho,
Já teve correio e telégrafo,
Hoje somente o telefone,
Que ouve a voz com a mesma emoção,
Pode ser a do amigo...
Ou do enamorado coração.

São Domingos é o seu padroeiro,
Das famílias que lá residem,
O tempo ali não passa, voa,
E por isso se evadiram muitas pessoas,
Voltando somente, em tempo de retiro.

Dobram os sinos, Seguem os peregrinos,
Que, ao lembrarem... Com sorrisos...
Corredeiras da Limeira, que fora paraíso
Nos tempos de meninos.

CONCEIÇÃO DE MUQUI

CONCEIÇÃO DE MAQUI

Terra fértil entre montanhas; que beleza!
O verde dos cafezais cobre as chapadas das regiões,
Pai da torre negra, o pico dos Pontões,
Ponto culminante, chaminé da natureza.

Dando vida àquela inerte arranha-céu,
Nasce o Rio Maqui do Sul, neste distrito, em efusão,
A paisagem se desnuda, mostrando o seu coração;
Esfogueando os visitantes em prece, sob o manto véu.

Capela de Conceição me trouxe devoção,
Ao celebrar a história da Mãe do Cordeiro,
Reconheci no próximo, o verdadeiro irmão.

E ali, naquela igreja, esvair-se em oração,
Padroeira da vila dá suporte à economia,
Protege o solo temperado e o pão der cada dia.

quinta-feira, 4 de setembro de 2008

ELEIÇÕES

ELEIÇÕES

Numa pacata cidade do interior após as eleições, a candidata eleita, entrou na Justiça para requerer desculpas de alguns eleitores que tentaram ridicularizá-la:

JUIZ – Por que disse que a Senhora Izabel era uma cavala?

REU – Excelentíssimo, não foi bem assim, eu disse que quando ela foi no bairro em que moro, a turma de obras estava calçando e ela quis ser solidaria, foi até a Rua e com o enxadão, começou a cavá-la.

JUIZ – E você ai riu por quê? Também chamou a Senhora de cadela?

OUTRO REU: - Não Senhor, Tem aqui a gravação daquela reunião, vamos ouvir.

O gravador foi ligado e...

- Olha ai gente, a nossa candidata está chegando.

- Cadê ela? Tenho a visão curta.

JUIZ: - Absolvidos.

SHOW-MICIO

SHOW MICIO

Caros amigos a nossa coligação tem a honra de trazer ao palanque o nosso futuro vereador, Sr. Cuta. Pois as pesquisas o apontam como o indicado mais votado, acreditamos que seja motivado pela sua simplicidade, homem rural, pai de família e integro na comunidade. Com vocês Cuta.

Uma explosão de palmas e fogos de artifícios, gritos histéricos da população. “Cuta, Cuta...”

- Brigado, muito brigado meu povão, hoje vou continuar a minha campanha falando um moçado das injustiça, Gente se eu chegar a sentar lá na câmara, oceis vão vê que vou fazer. Ontem mesmo estive na casa do meu compadre Mané, era de madrugada, e naquela hora ele já estava de pé, tocando gado leiteiro, prá tirar o leite; que mede mandar pro nosso laticínio. Homem bom, trabaador, ganha uma remeca de salário, Enquanto outros homem dormi na cama almofada de sedas, colchão de mola, meu compadre dorme na cama de pau duro, acorda com o corpo todo dolorido, temos que mudar esse sistema, oferecer o repouso do trabalhador melhor coisa macia. Ai eu fui atrás dele, para ter maior intimidade com aquilo que estou falando. Coitado do compadre, encontrei ele com uma vara na mão tocando gado. Ai ele me falou de suas dificuldades: “É compare, agora ta até bão, ruim mesmo era quando eu morava na Ponta da Braúna; Lá sim que eu sufria muito, agora ta moleza, oce sabe nê, comprei um barraco, moro no que e meu, nas horas vagas vendo flor, por falar em flor, ocê sabe que vendi no ano passado, em novembro, quase trinta real de rosa, fora as que eu topei dando, quando pra cá mudei.
E em volta do político havia gritos, até que o orador pegando o microfone falou para a platéia:
- Vocês querem mais Cuta? Então 5 de outubro, descarregue tudo nele.

Seguidores

ALCI SANTOS VIVAS AMADO

Minha foto

Publicou 3 livros: Santo Antonio Descendente de Corpo Inteiro, Insinuações Poéticas, Duelo e Perdão, Participou dos livros: Antologia Escritores Brasileiros - 6º Edição e Galeria Brasil 2009. Com apoio do SEBRAE e FAOP - Federação de Artes de Ouro Preto - MG, pesquisou e historiou o resgate Folclórico "As Pastorinhas" onde foi editado o Catálogo "Bacia do Rio Itabapoana". É membro efetivo da APOLO - Academia Poçoense de Letras e Artes, ocupa a cadeia nº 54.

Tekpix i-DV12 ENGANAÇÃO

Tekpix i-DV12 ENGANAÇÃO
Não comprem essa Câmera
Loading...

ANTOLOGIA ESCRITORES BRASILEIROS

ANTOLOGIA ESCRITORES BRASILEIROS
Alci Vivas e outros autores

FOLCLORICO EM SANTO ANTONIO DO MUQUI

FOLCLORICO EM SANTO ANTONIO DO MUQUI
A Pastorinha dia 21/06/2008

EXEMPLO DE VIDA

EXEMPLO DE VIDA
Projeto Educacional M.S.

VENHA CONHECER SÃO PEDRO

VENHA CONHECER SÃO PEDRO
Festival de sanfona e viola

A CULTURA NÃO DEVE MORRER

Se não resgatarmos a história o tempo
pode não nos indultar


FESTIVAL SANFONA E VIOLA

FESTIVAL SANFONA E VIOLA
São Pedro do Itabapoana/ 23 - 24 e 25 DE JULHO 2010

Arquivo do blog

FOLCLÓRICO

FOLCLÓRICO
CASAMENTO NA ROÇA